15
Dezembro
2014
Villa Baggage e o novo conceito ao sertanejo
Postado em: News, Porteira da Fama
15 de Dezembro de 2014

Sem título

Sanfona, violino e uma voz feminina marcante, essa é a receita que impulsiona e garante o sucesso doVilla Baggage. O trio, que é formado pela vocalista Emelyn Calvo Maziero (Emy), 25 anos, pelo sanfoneiro Guilherme Antônio Artioli (Gui), 24, e também pelo vocalista e violinista Haroldo Benevenuto Machado Artioli (Nuto), 26, traz em sua trajetória a característica do dinamismo e um repertório que promete revolucionar a música sertaneja.

Foi no ano de 2009, durante um ensaio dos irmãos Artioli e da cantora Emelyn em um estúdio musical da cidade de Campinas, interior do estado de São Paulo, que o grupo se formou. “A sintonia rolou de imediato. Fizemos um som juntos e rolou muito entrosamento. Em menos de três semanas juntamos nossas habilidades e formamos o Villa Baggage“, explica Emelyn.

Os irmãos Gulherme e Haroldo, ou simplesmente Gui e Nuto, nasceram em Campinas e descobriram a música ainda criança. Gui começou a tocar aos 9 anos. Nuto, que é formado em música erudita e já fez parte de cinco orquestras sinfônicas, descobriu a paixão pelo violino aos 11 anos. “Ao ver meu irmão fazendo aulas de acordeon comecei a me interessar pela música. Me identifiquei com o violino logo de cara, comecei a tocar e não parei mais“, conta Nuto.

Incentivados pelo pai, Gui e Nuto começaram a tocar chorinho, forró, samba e música instrumental em botecos e bares. “Essa época foi muito importante para nós, foi quando descobrimos, realmente, o prazer em ser músicos. Sempre falamos que essa fase foi a maior escola que tivemos na vida“, ressalta Nuto.

Com a delicadeza de menina, voz forte e imponente, Emelyn, que é formada em Publicidade e Propaganda, se rendeu a música. Seu talento musical foi descoberto aos 10 anos, durante um teste para uma apresentação como ginasta. “Me pediram para mostrar algum outro talento e resolvi soltar a voz e comecei a cantar. Todos que estavam em volta vibraram e cantaram junto comigo“, comenta Emelyn.

Com o propósito de mostrar suas trajetórias musicais o trio escolheu o nome Villa Baggage. “Villa vem de vilarejo, pequenas vilas, lugares pequenos. Foi em lugares como esses que começamos a tocar, a nos apresentar. Baggage representa nosso talento musical, a bagagem artística que cada um de nós levamos para formar o grupo“, explica Emelyn.

O diferencial de fazer música sertaneja com a mistura de violino, sanfona e voz chamou a atenção de Ivan Miyazato, um dos principais diretores musicais do país. O Villa Baggage foi um dos escolhidos para fazer parte do novo projeto de Miyazato, o Sertanejo Play, que tem como objetivo revelar novos talentos e enriquecer o cenário da música brasileira. “Esse projeto nos deu a oportunidade de mostrar o que sabemos fazer. Levamos toda essência que compõe o Villa Bagagge“, vibra Gui.

Com o ponta pé inicial dado, com essa gravação do Sertanejo Play, o Villa Baggage promete levar toda sua musicalidade e energia para todo o público sertanejo. “Rumo ao Brasil afora“, finaliza o violinista.

Atualmente, a música de trabalho do trio é a “Abelha sem Mel” que tem participação da dupla Henrique & Juliano, é uma composição do Nuto Artioli.

Confira Abaixo “Abelha sem Mel” e outras músicas de trabalho do Trio Villa Baggage:

Close
Facebook
Instagram
Desenvolvido por Commúsica